Jacarepaguá – 429 anos de muitas histórias

A grande região de Jacarepaguá, que compõe parte significativa da Zona Oeste, está em festa. Este bairro, que já foi uma das maiores, mais antigas e importantes freguesias do Rio de Janeiro, comemorou seu aniversário no último dia 9 de setembro.

Na planície situada entre parte dos maciços da Tijuca e da Pedra Branca, suas antigas terras estão divididas entre os atuais bairros do Tanque, Taquara, Pechincha, Praça Seca, Freguesia, Anil, Camorim, Gardênia Azul, Cidade de Deus, Curicica e o próprio Jacarepaguá.

Sua história certamente tem muito mais do que 429 anos. Bem antes da ocupação portuguesa as lagoas que banham essa baixada já eram reconhecidas pelos povos nativos através do nome de Jacarepaguá, que vem do Tupi-Guarani e significa “lagoa rasa dos jacarés”.

Com a intensificação colonial, principalmente a partir da fundação da cidade, em 1565, surgiram as primeiras rotas de integração comercial, religiosa e para proteção, feitas pelos jesuítas. Assim começaram as ocupações nos entornos dos largos da Freguesia, do Tanque e da Praça Seca.

A administração religiosa teve grande importância em toda cidade, chegaram a existir vinte e uma freguesias eclesiásticas no Rio. Deste modo também surgiu, em seis de março de 1661, a Freguesia de Nossa Senhora da Apresentação de Irajá. Sua maior fragmentação territorial só aconteceria após o século XVIII, a partir da venda de áreas que pertenceram ao Barão da Taquara.

Desde 2005 o aniversário de Jacarepaguá foi incorporado oficialmente ao calendário de eventos e datas comemorativas da cidade, segundo a Lei Municipal n.º 4001. A importância arquitetônica da região também é muito relevante, com destaque para as capelas de São Gonçalo de Amarante e Nossa Senhora da Cabeça, as Igrejas do Loreto e da Penna e o Núcleo Histórico Rodrigues Caldas (Colônia Juliano Moreira).

Para conhecer mais sobre a história de região convidamos um membro do Instituto Histórico da Baixada de Jacarepaguá, (IHBAJA), o professor Val Costa, que nos conta:

“A Igreja de Nossa Senhora do Loreto foi à sede inicial da Freguesia de Jacarepaguá, construída a partir de uma capela erguida na Fazenda do Capitão Rodrigo da Veiga. Edificada, originalmente, pelo padre Manoel de Araújo, em 1664.

Tempos depois, o antigo templo acabou em ruínas e, em 1960, através da mobilização dos fiéis, foi erguida uma nova igreja, em 1747, toda em estilo barroco. O altar-mor foi restaurado e as talhas foram pintadas de branco e dourado. Por sediar a Matriz da Freguesia de Jacarepaguá, a região do entorno da igreja passou a ser chamada de “Freguesia”, constituindo atualmente um dos principais bairros da Região Administrativa. Em 1970, o Cardeal D. Jaime de Barros Câmara concedeu a esta igreja o título de Santuário Nacional dos Aeronautas. Em quatorze de agosto de 2001, o templo recebeu o tombamento provisório do Instituto Estadual.”

“Tenho um grande orgulho de ter nascido, e ser criado em Jacarepaguá, estudei em escolas públicas da Rede Municipal de Ensino: EM Virgílio Várzea no bairro da Freguesia, como vereador sou incansável na luta pelas melhorias e desenvolvimento do bairro”, disse vereador Lupparelli.

Compartilhe este artigo

SIGA CÉLIO LUPPARELLI!

Participe de nossas redes sociais

Fale agora conosco!